O Dia dos Pais

Na antiga Babilônia há 4 mil anos atrás, um jovem chamado Elmesu moldou em argila o primeiro cartão com a seguinte mensagem: Desejo sorte, saúde e longa vida ao meu pai.
É o mais antigo fragmento histórico que demonstra a importância de um dia especial para os pais.

Em 1953 foi a vez do Brasil instituir a data de 16 de agosto, Dia de S. Joaquim patriarca da família, para a comemoração deste momento. Posteriormente achou-se mais propício comemorar sempre aos domingos, e não num dia do mês fixo, já que o domingo era o dia mais adequado para as reuniões em família.

Independente da data, o que se sabe é que a figura paterna é fundamental para a formação equilibrada da personalidade de um filho. A importância não se resume a prover o sustento. A função principal de um pai é participar da vida do seu filho, interando-se da sua rotina, divertindo-se com ele, conversando sobre sua história de vida, transmitindo os valores familiares e o amor; estar sempre atento as suas necessidades de carinho e motivação, colocando limites mais claros e respeito às regras sociais.

Hoje felizmente temos uma nova geração de pais que cuida da prole, trocando as fraldas, alimentando, higienizando, levando as suas atividades, acompanhando seu desenvolvimento de uma forma mais efetiva.

Há também um problema muito comum atualmente que é a separação do casal.

Muitos pais depois do rompimento desta relação não cumprem seu papel, afastando-se da criança, faltando ás visitas semanais com uma forma de punir a ex-companheira ou simplesmente porque se desinteressa do papel do pai, não se responsabilizando pelo filho que tinha obrigação de criar.

Nessas situações difíceis deve-se poupar o filho dos comentários negativos, mesmo que verdadeiros, sobre o caráter do pai ausente. O mais adequado é explicar que o pai deveria ter comparecido conforme o combinado. Enfatize que não está certa a sua conduta; que não é culpa do filho a atitude do pai, e que ele não sabe ser pai, dar a atenção que deveria, mas que ele é muito amado por muitas pessoas da família. Que seu pai o ama, porém do jeito dele.

Nas festinhas da escola, acredito ser importante que a criança participe mesmo que o pai seja ausente. Diga que ela pode dar o presente e fazer uma homenagem a quem ela acreditar ser um pai para ela. Pode ser um tio, avô, padrinho e até mesmo a mãe, que na verdade faz o papel de pai também. É fundamental que o filho se sinta importante e amado por outras pessoas, independentemente do seu pai.

Mas se seu filho tem a felicidade de poder ter um pai presente e atuante, que tal comemorar essa data com um programa em família? Brinque num parque, volte a ser criança com seu filho; crie recordações maravilhosas de um dia simples, mas divertido fazendo um piquenique, dormindo na cabaninha montada na sala, assistindo um filme que ele goste ou jogando com ele. Amanhã ele estará muito feliz, lembrando-se do amor do seu grande pai, como um momento que irá acompanhá-lo para o resto da vida. Feliz Dia dos Pais!